quarta-feira, dezembro 14, 2016

AVISO: O FORA TEMER É UMA ARMADILHA DO PT

Minhas posições políticas e convicções ideológicas são bastante conhecidas por quem me acompanha nas redes sociais, mas a minha rejeição a Lula, a Dilma, ao PT, PCdoB e seus comparsas, remonta os anos 80, quando aderi ao Diretas Já. 

Portanto, não tenho a mínima responsabilidade pelos danos causados ao país por Lula e Dilma com seus bandos, e tampouco ajudei a eleger Michel Temer na chapa de Dilma, como todos sabem. 

O bom senso e a noção de responsabilidade me autorizam a prestar mais um esclarecimento acerca do plano de sabotagem dos petistas contra o governo que eles próprios elegeram, e o farei para nortear os inocentes que passaram a tramar contra a governabilidade, contra as medidas de recuperação da economia brasileira e estão caindo nessas armadilhas do PT, PCdoB, CUT, CGT, MST, MTST, UNE, PSOL e outros parasitas da Nação.

Só os inocentes não percebem que o FORA TEMER é uma imensa armadilha do PT, que objetiva aprofundar a crise nacional, criando o caos para que a burguesia petista retorne ao poder e permita que o bando continue roubando e delinquindo impunemente. 

Aos ingênuos que tramam pelo Fora Temer sem se perguntarem como seria a sucessão e as suas consequências danosas para o país e para o povo brasileiro, eu respondo de pronto, com base na Constituição: 

A norma constitucional sobre a sucessão do Presidente da República é clara e não comporta devaneios, seja pela intervenção militar; pelo fechamento do Congresso Nacional ou pela renúncia de todos parlamentares eleitos por decisão do povo. 

Segundo a CF, estão na linha sucessória do Presidente da República, o Vice-presidente, o presidente da Câmara Federal, o presidente do Senado e o presidente do STF, nessa ordem. E essa regra deverá ser mantida. 

Se a vacância do Presidente ocorrer dentro dos 2 primeiros anos de mandato (no caso, até 31/12/2016), assumiria o 1º da linha sucessória da Câmara (uma velha raposa que responde a pelo menos 3 processos no STF), com a missão de convocar eleições diretas no prazo de 90 dias. Isso significa que até o final de 2017 a nação ficaria paralisada e submersa na lama das jogatinas eleitorais para eleger alguém para cumprir um mandato tampão até 2018. 

Mas se a vacância do presidente ocorrer nos 2 anos finais do mandato (neste caso, entre 2017 e 2018), a eleição do novo presidente seria indireta, no prazo de 30 dias do fato e a escolha do substituto seria feita por acordo dos deputados e senadores, que escolheriam dentre eles próprios um substituto para governar o país, podendo o próprio Temer ser o escolhido por maioria absoluta do Congresso.

Ora, se a sociedade não confia nos políticos do Congresso, seria uma tremenda jumentice colocar um preposto do Congresso no lugar de um governo que já está implantado, que vem trabalhando arduamente para recuperar a economia e que, mesmo sem tanto apoio popular, conta com o apoio da maioria do Congresso Nacional para aprovar as medidas impopulares que a nação carece com urgência.

Considerando que um governante demora pelo menos 6 meses para tomar pé da situação; e mais 6 meses para começar a apresentar alguns resultados, sem contar o troca-troca de ministros e de auxiliares, é fácil antever o que ocorrerá com o país (que já enfrenta uma crise sem precedentes), passar mais 1 ano paralisado, assistindo os vândalos destruindo a Nação e vendo a sofreguidão da economia arruinando empresas e a vida de milhões de brasileiros. 

Se o presidente eleito pelos petistas é ruim para eles, sua troca por um larápio qualquer do Congresso será muito pior para nós, contribuintes do Estado brasileiro. 


Nessas armadilhas eu não caio e não cairei jamais, pois sei perfeitamente bem quais serão as consequências danosas de mais um desatino que só interessa ao PT e aos parasitas que arruinaram a economia da Nação. 

Atentem para um detalhe importante: aqueles que elegeram Temer, hoje o criticam pela pouca ou quase nenhum popularidade. Não sabem que esse é justamente o fator mais positivo e a favor dos grandes interesses da Nação e não da política ordinária que Lula e Dilma tanto se beneficiaram enquanto faziam o estrago que fizeram. 

Sem se preocupar com popularidade ou populismo, Michel Temer não alimenta sonhos de poder e já anunciou dezenas de vezes que sairá do palácio em 2018 para curtir sua musa e seu filho pequeno.

Ademais, só um governante sem preocupações com popularidade reúne condições para implementar medidas amargas e impopulares para enfrentar tantos problemas deixados de herança por incúria dos seus antecessores. 

Quem tiver juízo e responsabilidade com o país, que reze pela permanência de Temer no poder até 2018, quando as medidas impopulares, porém necessárias e urgentes, estarão surtindo os seus efeitos em benefício de todos, inclusive daqueles estúpidos-populistas que o elegeram. 

Não se iludam: Temer sairá da presidência com a economia nos trilhos, deixando implantadas e funcionando as principais reformas que nenhum outro governo ousou fazer nos últimos trinta anos. 


Ruy Câmara
Escritor e sociólogo

http://blogdoescritorruycmara.blogspot.com.br/2016/12/aviso-o-fora-temer-e-uma-armadilha-do-pt.html



O QUE PENSO SOBRE INTERVENÇÃO MILITAR 

Sou um liberal e democrata por convicção e por formação acadêmica. E por conhecer e pesquisar in loco em diversos países submetidos a regimes de chumbo, não apoio e não apoiarei jamais a hipotética, irresponsável e inconsequente tese de intervenção militar no Brasil.

Afirmo isso como filho de militar, de um patriota e voluntário que combateu na 2ª Guerra Mundial e também porque iniciei-me na vida com cadete da escola militar, onde aprendi a ser disciplinado, a respeitar direitos, a cumprir deveres, a defender minha pátria e a democracia, até mesmo sob tortura.

O caminho para se chegar ao poder no Brasil e no mundo civilizado é pela via democrática, pelas urnas, com voto secreto, impresso e com a apuração transparente e fiscalizada por especialistas.

Se um dia algum militar decente, capaz, honrado e de alta patente se candidatar à PRESIDÊNCIA DO BRASIL, poderá contar, provavelmente, com o MEU VOTO e da minha família.

Mas a tomada de assalto do Brasil pela força bruta, das armas, do chumbo quente e das botinas, não terá jamais o meu apoio.

E se os intervencionistas tentarem tomar o poder na marra, pela força bruta das armas, da foice e do martelo, haverão de enfrentar mais um sniper em sua trincheira intelectual.

Ruy Câmara.