domingo, maio 28, 2017

MANIQUEÍSMO IDEOLÓGICO: RICOS X POBRES



São raros os esforços acadêmicos para explicar os motivos pelos quais os países pobres não se sentem responsáveis pelas misérias que afetam as suas gentes. Na América Latina, raros são os núcleos acadêmicos que abordam os problemas da pobreza de determinadas sociedades sem culpar as nações ricas pelos fracassos seculares das nações pobres. 

No bojo desse debate, os Estados Unidos, apesar de ser
uma nação democrática jovem, que orientou-se para o trabalho, para a multiplicação de conhecimentos e para o domínio de tecnologias que culminaram no aumento da sua produtividade e da sua prosperidade, são os alvos prioritários dos ataques desses núcleos.

Quem se der ao trabalho de examinar os fundamentos que norteiam o pensamento e as ações das nações ricas e das nações pobres, verá que o tempo de existência de uma dada nação não foi nem é determinante para a sua transformação, nem para o seu desenvolvimento e progresso. Citemos alguns exemplos, apenas para ilustrar:

Há 3 mil anos os fenícios já dominavam tecnologias de engenharia naval jamais vista e seu desenvolvimento
comercial foi tão intenso que se tornaram a maior potência comercial do planeta. Entre os séculos 10 e 1 a.C, os fenícios de Cartago, ou cartagineses, eram os únicos povos que tinham o domínio total dos negócios de cabotagem sobre toda a orla do Mediterrâneo. E hoje a região em que viviam os fenícios (Líbano e Síria) são nações devastadas, empobrecidas e condenados a promover o êxodo de milhões de indivíduos. 

Na África, berço da humanidade, existem atualmente mais de 10 milhares de monarquias nacionais e subnacionais
raquíticas, onde um indivíduo tem o poder supremo e é reconhecido como chefe de estado ou soberano local. Contudo, grande parte dos povos da África permanece ainda vivendo em condições primitivas em que viviam os seus ancestrais há dois mil anos. 

No Oriente Médio existem civilizações milenares dominadas ainda por patriarcas de mentalidade atrofiada, que estão arruinadas e há anos-luz, em matéria de desenvolvimento, do jovem Estado de Israel, criado logo após a 2ª Guerra, em 1948. 

Portugal e Espanha se lançaram nas grandes navegações, descobriram, colonizaram, dominaram e expropriaram meio mundo e hoje são nações insignificantes em termos geopolíticos e econômicos, quando comparadas com potências como os Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Inglaterra, Japão, China ou mesmo com os Emirados Árabes.

Nos últimos 500 anos, a Europa era o agente motor do desenvolvimento, da modernidade e concentrava as nações mais ricas do planeta, mas no final do século 20 a Ásia (outrora pobre e atrasada) passou a crescer e a se desenvolver de forma vertiginosa, superando os antigos impérios europeus. 

A mesma lógica também vale para os indivíduos. 

Após haver lido centenas de biografias de pessoas que ousaram, inovaram e com otimismo transformaram o mundo em que vivemos, compreendi que os mais aptos superam os inaptos porque são mais otimistas e mais motivados para soluções. Percebi também que a pobreza e a miséria das nações e dos indivíduos não são condições imutáveis, nem decorrentes somente do meio social ou das adversidades criadas pelas sociedades e pelos sistemas jurídico-políticos que regulam os países, mas por falta de capacidade individual de superação das adversidades da vida e da compreensão de que o imobilismo e a acomodação resultam sempre e inevitavelmente em pessimismo e fracasso. 

O mundo está repleto de histórias de jovens bens sucedidos que nasceram pobres, viveram a infância em lares desestruturados, mas se empenharam, pouparam recursos, alguns abandonaram seus estudos e ousaram investir as parcas economias em pequenos negócios que foram crescendo, crescendo, agigantaram-se nos mercados e se tornaram conglomerados empresariais ou mesmo impérios econômicos globais que superam o PIB de muitas nações do planeta. Outros herdaram fortunas e tiveram todas as oportunidades para se tornarem pessoas bem-sucedidas na vida, mas nada fizeram ou desperdiçaram tudo e passaram a depender da ajuda de familiares, amigos ou das esmolas estatais.

Há um aforismo conhecido na África que diz o seguinte: a mão que recebe está sempre por debaixo da mão que dá. E é verdade, mas várias nações pobres continuam com a mão estendida, esperando ajuda externa, como se a pobreza da sua gente fosse por culpa das nações ricas. 

Ora, a pobreza não deveria ser explorada para a prática da caridade social dos governos, porque ela é um agente de contaminação mental potencialmente violento, que infunde no espírito a sensação paralisante de incapacidade e mais, a pobreza é fácil de ser manipulada pela fantasia ideológica (comunista ou socialista) para ampliar a visão maniqueísta da sociedade (bem x mal, ricos x pobres; eles contra nós), visão que tanto seduz as massas de manobras a atentarem contra a paz, a ordem e contra o bem-estar geral. 

A generosidade e a solidariedade externa pode ajudar uma sociedade a superar problemas circunstanciais, como no caso de guerras, calamidades, catástrofes, etc, mas nenhuma ação humana é tão eficiente, tão efetiva e tão duradoura para a superação de qualquer adversidade quanto aquela em que os próprios indivíduos se habilitam a se erguem por si mesmos para superar a miséria sem contar com as esmolas alheias. 

Ruy Câmara

Escritor