segunda-feira, junho 20, 2016

CRÔNICA DA DELAÇÃO SUPERPREMIADA DE SERGIO MACHADO.

Conheci Sergio Machado nos anos 80, ao tempo em que atuávamos na iniciativa privada e associações de classe, com o propósito de consolidar no Ceará o 2º maior polo da indústria têxtil do Brasil. E o Estado conseguiu e depois destruiu. 

Em 1987, enquanto Eu e muitos outros empresários nos ocupávamos com a produção de manufaturados e negócios de exportação, os rapazes do CIC (Centro Industrial do Ceará), liderados por Tasso Jereissati, Sergio Machado, Beni Veras e outros, ingressaram na vida pública, ganharam as eleições e tomaram as rédeas do governo do Ceará. 


Mas, no final daquela década conturbada a economia brasileira começou a sofrer severamente as inconsequências dos planos econômicos mais desastrados da história (plano cruzado, plano Bresser...) e a indústria manufatureira do Brasil afundou durante o governo Sarney, levando para o abismo milhares de empresas comerciais de todos os portes e setores da economia.



Em 1992, Fernando Collor de Mello gritou do palácio que o Ceará já era uma referência e um exemplo de gestão pública a ser seguido pelo Brasil. Enquanto todos nós aplaudíamos as proezas políticas dos rapazes do CIC Eu, em meio a mais uma crise econômica e política que se abatia ferozmente sobre o país, decidi me afastar dos negócios, apurei uns trocados e passei a me dedicar exclusivamente aos livros. 



Naqueles anos perversos e adversos para quem produzia, Sergio Machada enfrentava muitas dificuldades financeiras, mas com o apoio de Tasso Jereissati e outras lideranças do Estado, ele elegeu-se deputado federal, depois elegeu-se senador da república pelo PSDB; e eu permaneci encafuado na minha biblioteca por 11 anos, sem me deixar contaminar com as questões do mundo empresarial e político.  


Em abril de 2002, Sergio Machado (senador em fim de mandato e relator do orçamento da União) apareceu na minha casa na companhia do seu filho, Daniel Machado, e falou-me com entusiasmo dos seus planos políticos, dos conflitos de interesses com os seus ex-aliados do CIC, falou-me das dificuldades eleitorais que enfrentaria, já que Tasso Jereissati, Ciro Gomes e outros, decidiram apoiar o senador tucano, Lúcio Alcântara, hoje um dileto amigo a quem prezo muitíssimo. 

Poucos dias depois dessa visita reunimos um grupo de apoiadores da sociedade civil, instalamos o comitê central de campanha em minha casa, escrevemos a dez mãos um consistente plano de governo e lançamos Sergio Machado ao governo do Ceará. Durante 6 meses de canseira e de convivência intensa com sua família (esposa, filhos, irmãos e seus pais) a nossa amizade se fortaleceu, fortalecendo mais ainda a nossa convicção de que Lula e o PT seriam um desastre para o país. 

É verdade que lutamos com afinco contra todas as forças contrárias ao nosso projeto (e eram muitas e bem mais poderosas), mas a escassez de recursos financeiros prejudicou a campanha na reta final e Sérgio Machado perdeu as eleições para Lúcio Alcântara, o candidato do PSDB que mais tarde viria a romper com os patrocinadores da sua vitória: Tasso, Ciro e outros líderes locais. 

Em 2003 vieram as compensações que aplacaram de certo modo a derrota de 2002. O meu romance de estreia na literatura foi publicado e em seguida agraciado com os prêmios máximos da literatura brasileira; e Sergio Machado, com o apoio de Renan Calheiros e de outros líderes do PMDB, foi escolhido por Lula para dirigir a Transpetro. 

A notícia me alegrou de verdade, afinal, Sérgio Machado estava sem recursos e carecia se refazer do tombo. Mas ao saber que seu partido (PMDB) estava completamente seduzido pelas facilidades do poder e que passaria a dormir no covil de promiscuidade do PT, preferi me manter distante do novo projeto do Sergio Machado, chegando a dizer para três amigos que ocupariam os cargos de comando na Transpetro, que eu continuaria escrevendo livros e fazendo oposição a Lula e ao PT. 

Naquela época o genial Beni Veras, um amigo da iniciativa privada que Tasso Jereissati escolhera como seu vice-governador, cunhou uma frase na FIEC que se tornaria icônica e trágica: Seu amigo Sergio Machado sairá da Transpetro rico ou preso. 

Confesso que à época eu cheguei a pensar que o meu amigo Beni Veras estava com inveja do Sergio, afinal, comandar uma Transpetro era muito mais fácil do que dirigir um Estado pobre, endividado e com problemas em todas as suas área finalísticas. 

Após 13 anos sem nenhum contato pessoal com Sergio Machado, não por intriga, mas porque o meu ofício de escritor exige reclusão, eis que seu nome, sua imagem e sua trama delatora estouraram no noticiário do Brasil como uma bomba, e só então eu percebi que, cumprira-se com plenitude e autarcia o vaticínio do sábio e probo, Beni Veras: Sergio Machado foi mesmo banido da Transpetro, rico e preso. 

Ruy Câmara

http://blogdoescritorruycmara.blogspot.com.br/2016/06/cronica-da-delacao-superpremiada-de.html