quarta-feira, junho 29, 2011

DIREITOS E DEVERES



Todos os cidadãos brasileiros, sem distinção de qualquer natureza, seja ideológica, cor da pele ou de preferência sexual, estão amparados e submetidos aos mesmo tempo à Constituição Federal. 

Assim sendo, qualquer legislação que objetive desigualar, em deveres e direitos, os cidadãos de uma Nação é uma lei imoral, impura e nociva ao todo social.


É nociva porque escancara as portas para a descriminação jurídica, política, material, de gênero e também para a segregação autocrática de indivíduos por castas e guetos de beneficiados ou de marginalizados morais, seja em função das suas ideologias, escolhas e opções sexuais, seja pela impossibilidade real de inversão da heteronormatividade universal, que tem como base, desde os primórdios, os gêneros capazes de reprodução: masculino e feminino. 


Ora, um pessoa ao assumir-se gay ou lésbica, deve ser respeitada como qualquer outra que mereça respeito em função das suas atitudes em sociedade, mas a decisão não se ampara numa questão de gênero como entendem alguns, e sim de pura opção sexual individual, e nada mais do que isso. 

Mas o que vem a ser exatamente essa tão propagada, "opção sexual" ? É simplesmente uma opção do indivíduo, seja homem ou mulher e ponto final. E por ser apenas uma opção pessoal (não é enfermidade, não é crime) deve ser aceita naturalmente como expressão da vontade de cada um.   


O que é anormal e constitucionalmente inadmissível são as investidas de grupos sociais contra a norma geral, já que objetivam a criação de leis excludentes muito especificas e capazes de tornar tais grupos inalcançáveis até mesmo pelo código legal, que é e deve permanecer comum a todos, sem fazer concessões de privilégios de nenhuma natureza