terça-feira, julho 15, 2014

DE VOLTA À REALIDADE COTIDIANA

O momento nos solicita que deixemos de lado as ilusões com a tão propagandeada Copa das copas e que voltemos a nossa atenção para a realidade brasileira e para a nossa vida real, afinal, em breve pesarão em nossas costas as pesadas faturas que haveremos de pagar com a roubalheira geral da Copa e com os desvios de verbas públicas para financiar outra gastança ainda maior: com as eleições. 



Mas como a verdade de Lula, Dilma e do PT só dura o tempo da sua combustão, temos que concordar dizendo que a Copa serviu para alguma coisa, principalmente porque o mundo inteiro viu e ouviu claramente que o Brasil não vai bem moralmente, nem economicamente e vai pior ainda de governo. 



O Brasil não vai bem moralmente porque, com a prisão da cúpula do governo petista, Dilma, no afã de ganhar a reeleições na corana da Copa, facilitou de todas as formas a transformação das arenas num grande negócio para o baronato das empreiteiras, da Fifa e da CBF e num mega-negócio para a alta burguesia stalinista no poder.


O Brasil não vai bem economicamente porque, além da dívida impagável de R$ 3 trilhões; dos gastos públicos na ordem de 45% do PIB e da carga tributária de 40%; a inflação em junho estourou o limite máximo estipulado pelo governo, atingindo 6,52% neste ano, prometendo recessão, desemprego e miséria em 2015. 

E mais, enquanto os juros na Europa e nos EUA continuam próximos de zero, a economia do nosso país, (às portas da recessão), convive com os juros mais altos do mundo, na ordem de 11% ao ano.


O crédito ao consumidor (que é instrumento de fomento do consumo, da produção e emprego), não chegará sequer ao patamar de 12% em 2014, e será, portanto, a menor taxa de expansão nos últimos 11 anos. A produção industrial continua em queda livre nos meses de março, abril, maio e junho. Os níveis de maio e junho estavam 3% abaixo do mesmo período de 2013 e nível de emprego também vem acompanhado essa tendência. A atividade industrial caiu 4% em média neste ano.

O comércio sofreu um declínio na ordem de 38% durante os meses em que a bola rolava nos gramados e ninguém dá um pio contra essa aberração.

O Brasil não vai bem de governo, tanto pela nítida desmoralização de Dilma, quanto pelo populismo xenófobo e pelos esforços objetivos para cubanizar, venezuelizar e implantar o comunismo goela à dentro da sociedade. 

Ora, como esse governo especializou-se em mentiras, corrupção e fraudes de toda ordem, faz-se necessário que se apure direitinho até que ponto as receitas de serviços geradas pela Copa compensaram os gastos públicos com a construção das arenas, com a realização dos jogos, tudo isso somado aos prejuízos reais provocados pela paralisação das diversas atividades produtivas do país.

Diante dessa realidade obscurecida pelas mentiras oficiais, podemos afirmar, sem medo de errar que, a situação do Brasil se assemelha à situação de uma família deslumbrada que, apesar de endividada, vende o fusquinha, torra a poupança e o fundo de garantia, com a festa de 15 anos da filha e, no dia seguinte caem todos em depressão ao constatarem que os presentes recebidos pela menina, não valem nem a metade dos gastos com a festona. 

Ruy Câmara 

 http://blogdoescritorruycmara.blogspot.com/2014/07/de-volta-realidade-cotidiana.html