domingo, julho 27, 2014

DESMASCARANDO A FARSA PETISTA SOBRE O AEROPORTO DE CLÁUDIO, MINAS GERAIS

Cuidado! Há sempre um petista na rede tentando molestá-lo com agressões verbais. 


O PT, com seus bandos de mercenários infiltrados nas redes sociais vem tentando macular de todas as formas a honra, a dignidade e a reputação ilibada de AÉCIO NEVES. 



Mas como não há nada (absolutamente nada) que vincule AÉCIO NEVES com atos de corrução ou roubo de dinheiro público, o bando petista lançou-se na tarefa desprezível de acusar AÉCIO NEVES de haver aprovado a construção de um aeroporto nas terras de um parente, no município de Cláudio, em Minas Gerais. 


Ora, se essa gente sem escrúpulos acha mesmo que ganhará as eleições enganando a sociedade com MENTIRAS fabricadas nos laboratórios do crime do PT, verão cair por terra as suas pretensões diante das verdades conclusivas aqui colocadas: 

DESMASCARANDO A 1ª MENTIRA DO PT: 


Cláudio é um próspero município da região centro-oeste de Minas Gerais. A cidade é conhecida por seu grande pólo de fundições e metalúrgica, considerado um dos maiores do Brasil e da América Latina. Destacam-se a produção de móveis em alumínio, peças de ferro fundido e outros. Mais de 100 empresas do setor atuam na cidade. Apenas em 2014, foram formalizados junto ao Instituto de Desenvolvimento Integrado de Minas Gerais (INDI) novos investimentos da ordem de R$ 1 bilhão no município. 

Em 2003, o governo do Estado lançou o Programa Aeroportuário de Minas Gerais (ProAero-MG), aprovado pela ANAC, com objetivo de fortalecer a infraestrutura dos aeroportos públicos do Estado.

Nos últimos anos, os Governos do Estado de Minas Gerais vinham investido na construção e em melhoramentos de aeroportos em todo o território mineiro. Esses aeroportos são classificados nas categorias “regional” e “local”. 

O aeroporto do município de Cláudio pertence à última categoria, de forma similar a cerca de 85% dos aeroportos públicos do Estado.

Os aeroportos regionais recebem investimentos de apoio à aviação comercial. Os aeroportos locais têm como objetivo apoiar a aviação de pequeno porte, com a finalidade principal de atendimento a ações nas áreas de segurança e saúde e de apoio a atividades econômicas locais.

DESMASCARANDO A 2ª MENTIRA DO PT: 

O programa ProAero previu um aeroporto local de pequeno porte no município e a escolha da área se deu por critérios técnicos, não tendo Aécio interferido na decisão. Ademais, já havia no terreno em questão uma pista de pouso construída há 20 anos, o que tornaria a obra muito mais barata. Prevaleceu exclusivamente o interesse público. 


A acusação leviana de que o Governo de Minas responde processo pela construção da dita obra, já está completamente desmoralizada, uma vez que o PT e a imprensa vermelha receberam farta documentação do Ministério Público de Minas Gerais, provando que um inquérito civil, aberto por petistas da justiça mineira, foi arquivado no dia 14 de abril deste ano, por falta de substância e legitimidade jurídica. 

DESMASCARANDO A 3ª MENTIRA DO PT: 
A acusação de que a obra não tem respaldo jurídico, também já está completamente desmoralizada, uma vez que AÉCIO NEVES (em pessoa) apresentou nada a mais, nada a menos, do que 2 (dois) pareceres sólidos legitimando a obra, assinados pelos ex-ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) Ayres de Britto e Carlos Mário da Silva Velloso, ambos apontando a regularidade do empreendimento que o PT questiona.

DESMASCARANDO A 4ª MENTIRA DO PT: 
A acusação de que a obra foi feita em terreno privado, de um parente, tampouco procede, já que o governo de Minas DESAPROPRIOU o terreno na forma da lei, nos moldes financeiros bastante modestos e com o amparo de pareceres substantivos dos ministros, Velloso e Britto, nos quais afirmam que não há nenhuma irregularidade no processo de desapropriação das terras.

Em uma página, Velloso diz que: "É lícita a realização da obra para a qual o ato de desapropriação ocorre" e destacou que foi "correto o procedimento adotado" de iniciar a obra mesmo antes de decisão judicial sobre o preço do imóvel. Ayres Britto esclarece, também em uma página, que o governo de Minas poderia ter realizado a obra. "Não há nada de juridicamente inválido nesse proceder administrativo do Estado, que fez o prévio depósito judicial do valor indenizatório que lhe pareceu, fundamentalmente correto e justo. [...] 

AÉCIO CONVOCOU A IMPRENSA E DESMASCAROU A FARSA PETISTA:

"Quero de uma forma muito clara dizer duas coisas bastante objetivas em relação a essa questão: a notícia que circulou na imprensa de que teria havido a construção por parte do governo de Minas Gerais de uma obra em uma área privada, é uma informação mentirosa. Não existiu nenhuma construção, de absolutamente nada, em nenhuma área privada. A área em questão foi desapropriada previamente em benefício do estado de Minas, como atestam todos os documentos apresentados a vocês hoje, e se houve algum tipo de favorecimento no negócio, o beneficiado foi o governo de Minas e não o ex-proprietário, tanto que contestou o valor da desapropriação alegando que o governo pagou apenas 1 nove avos do valor da terra. Portanto, a desapropriação foi feita pelo estado, que avaliou a área em R$ 1 milhão. Os herdeiros do meu tio-avô, argumentavam que as terras valiam R$ 9 milhões e nós desapropriamos pelo valor de R$ 1 milhão. Não houve nenhum tipo de favorecimento, como insinuam. O ex-proprietário não concordou com as bases da desapropriação definidas pelo Estado e luta até hoje na Justiça contra elas. Até hoje ele não recebeu nenhum centavo do que foi depositado judicialmente. Se houve alguém favorecido nisso, foi o estado de Minas e não esse meu parente. Isso para mim é tão óbvio quanto claro. Lamento haver frustrado as pretensões dos nossos adversários, pois o próprio Ministério Público, que fazia as investigações de forma autônoma à época, arquivou esse processo porque não encontrou nenhuma ilegalidade e nenhuma irregularidade. O governo agiu com rigor e seguiu todos os trâmites legais para garantir a melhor solução para o Estado. Prova disso é que os interesses de um parente meu foram contrariados, para que prevalecesse o interesse público. O aeroporto do município de Cláudio (MG) é de uso público e, assim como outros, aguarda a conclusão do processo de homologação junto à Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), cujo início se deu em 22 de julho de 2011."


CONCLUSÃO:
Amigos e adversários das Redes Sociais: estando essa farsa petista bastante esclarecida, nós, brasileiros, temos o dever de exigir da Dilma, do Lula e do PT, que nos esclareçam sobre uma lista de improbidades reais e recentes, envolvendo somas vultosas de dinheiro público, tais como:

a) O perdão de uma dívida de 12 bilhões da empresa de petróleo da Venezuela para com a Petrobras;

b) O superfaturamento estimado em 5 bilhões envolvendo a obra da Refinaria de Pernambuco;

c) O superfaturamento estimado em 6 bilhões com as obras da Copa; 

d) Os contratos bilionários e secretos do BNDES para financiar obras em Cuba e Angola; 
e) Ligações do PT com os narcotraficantes das FARCs.

Dentre tantas outras falcatruas que jamais foram esclarecidas pelo governo petista, Lula, o recordista mundial de mentiras por minuto, tem o dever de explicar como o seu filho, LULINHA, ficou milionário durante o seu governo.

Lula precisa falar publicamente sobre um caso ainda mais escandaloso, envolvendo um depósito de 25 milhões de EUROS, feito por sua amante, Rosemary Noronha, num banco da Cidade do Porto, em Portugal. 

E Dilma precisa explicar sobre:

a) O rombo financeiro de 1,3 bilhões de dólares, envolvendo a compra pela Petrobras da sucateada refinaria PASADENA, nos Estados Unidos, aprovada por ela mesma. 

b) O rombo na Eletrobras de R$ 10,5 bilhões no quarto trimestre de 2012.

c) O plano que objetiva transformar o Brasil numa republiqueta bolivariana e também sobre a criação do SOVIET para reprimir a Nação brasileira e sua gente.

d) Quem financia as ações de fomento do ódio racial, ódio de classes e o ódio ideológico entre os brasileiros, coisas que não havia no Brasil; e sobre o patrocínio do MST e também de grupos terroristas (black blocs) que saem à ruas para depredar o patrimônio público e privado. 


Ruy Câmara
Escritor