domingo, julho 13, 2014

Svetlana Stalin, uma vida fugindo das sombras



Foto de 2010 da única filha de Stalin,
Svetlana Stalin

Svetlana Allilujevová, a única filha mulher do ditador sanguinário soviético, Josef Vissariónovitch Stalin, nascido Iossif Vissariónovitch Djugashvil, vulgo Koba, morreu como viveu desde o berço: escondendo-se das sombras dos fantasmas comunistas para não ser incomodada nem acusada de cumplicidade com os crimes perpetrados contra a humanidade por seu pai, um dos ditadores mais cruéis de todos os tempos.

Somente após uma semana de sua morte, o mundo tomou conhecimento de que ela viera ao mundo como Svetlana Stalin e que mais tarde usaria o sobrenome da mãe, Allilujevová para viver protegida nos Estados Unidos com o nome de Svetlana Peters ou simplesmente, Lana Peters.

Criada por uma babá desde que sua mãe morreu em 1932, Svetlana Stalin tinha dois irmãos por parte de pai, Vasili e Yakov. Yakov foi capturado pelos nazistas em 1941 e morreu em um campo de concentração. Vasili morreu vítima de alcoolismo aos 40 anos.

A menina obediente de Stalin viria a rebelou-se contra o pai na idade adulta, quando descobriu que sua mãe não havia morrido após a ruptura do apêndice, como seu pai havia lhe dito na infância. 

Após se formar na Universidade de Moscou em 1949, Svetlana Stalin trabalhou como professora e tradutora e frequentava os círculos intelectuais russos. Com dois casamentos desfeitos em pouco tempo, a atormentada Svetlana apaixonou-se por Brijesh Singh, um comunista indiano que trabalhava para os soviéticas. Mas Stalin não aceitou que a filha se casasse novamente. Quando Brijesh Singh morreu em 1967, ela conseguiu uma permissão da KGB para ir à Índia a pretexto de lançar as cinzas do seu parceiro no Ganges. No último dia de estadia na Índia, Svetlana Stalin, revoltada com o regime comunista, foi à embaixada americana de Nova Déli e pediu asilo político. 

Depois de uma breve estada na Suíça, foi embora para os EUA. A notícia de que a filha do todo poderoso Stalin desertara com ajuda da Agência Central de Inteligência (CIA) para os USA produziu uma crise diplomática entre as duas maiores superpotência do mundo. 

O Kremlin não tinha resposta para uma pergunta que todos faziam nas ruas de Moscou, St. Petersburgo, Geórgia e nos quatro cantos do império soviético: "Por que motivo a filha de Josef Stalin abandou dois filhos e preferiu arriscar a vida numa fuga para os USA, um país inimigo da União Soviética?

Quando desembarcou em Nova York em 1967, Svetlana, então com 41 anos, disse: "Eu vim aqui para buscar a liberdade e o direito de expressão que me foi negada por tanto tempo na Rússia." Ela disse que duvidava do comunismo que a ensinaram desde a infância e acreditava que não existe capitalistas e comunistas, e sim pessoas boas ou más. Ela também encontrou religião e disse ser impossível "existir sem Deus no coração".

Svetlana Stalin ou Lana Peters, exilou-se consciente de que a decisão lhe cobraria por toda a vida um elevado preço, pois havia deixado para trás seus dois filhos de casamentos anteriores, Josef e Yekaterina, ambos bastante deprimidos com a decisão da mãe, tanto que nunca mais a perdoaram e nunca mais a aceitaram como mãe.

Svetlana Stalin casou-se quatro vezes ao longo da vida, sendo o último deles em 1970, com o arquiteto e engenheiro americano William Wesley Peters, quando passou a assinar-se como Lana Peters. Os dois tiveram uma filha de nome Olga. 

Após viver na Grã-Bretanha durante dois anos, na década de 1982, Lana, aos 58 anos, juntamente com Olga conseguiram o repatriamento para União Soviética, com direito a um apartamento, pensão, carro oficial e motorista. Mas, após um ano de tédio, vivendo no país rigidamente controlado e novamente rompida com os filhos, Lana decidiu esquecer que tinha família na União Soviética e voltou aos Estados Unidos. 

Novamente procurada por jornalistas, Svetlana fez ácidas criticas ao comunismo e respondeu à pergunta dos soviéticos dizendo: "Retornei aos USA porque a sombra de meu pai, mesmo estando morto (1953) não me deixava falar do comunismo." E ao ser perguntada sobre o que sentira com a morte do pai ele disse: "STALIN era um MONSTRO MORAL E ESPIRITUAL”.

Svetlana Stalin escreveu três best-sellers, sendo o mais importante “Vinte Cartas a Um Amigo; "Only One Year – Apenas um ano"; uma autobiogradia publicada em 1969, e denunciou as práticas do regime que enviou milhões de pessoas para os campos de trabalho forçados. 

Numa entrevista concedida ao Chicago Tribune em 1983 ele declarou: "A sombra do meu pai sempre paira sobre mim, não importa o que eu faça ou diga."

A documentarista, Lana Parshina, encontrou-a numa casa para repouso de idosos em Wisconsin, mantido pelo Estado americano, e a entrevistou-a para um filme intitulado “Svetlana Sobre Svetlana”, sobre a sua conturbada vida, um tema que na opinião do “New York Times” “valia mais do que qualquer novela russa”.

Num dos livros que tanto lhe rendera dinheiro, ela recorda o pai ausente e paranoico que governou a nação durante longos 29 anos, com as mãos sujas de sangue e um caneta sempre pronta a mandar alguém para o inferno.

O premiê soviético Alexi Kosygin disse que a filha de Stalin era "moralmente instável" e uma "pessoa doente" e acrescentou: "Temos piedade daqueles que desejam usá-la para qualquer objetivo político ou para qualquer objetivo de desmoralizar o Estado soviético".

Svetlana morreu em Wisconsin, Estados Unidos, no dia 22 de Novembro de 2011, aos 85 anos, vítima de um câncer e sua morte foi confirmada oficialmente por Benjamin Southwick, procurador do condado de Richland County, Wisconsin, USA, onde ela foi viver após se casar em 1970 com o arquitecto William Peters. O casal e a filha Olga residiam em Spring Green, perto de Madison, até a separação e posteriormente o divorcio.

Svetlana Stalin ou Svetlana Allilujevová (para os russos) ou ainda Lana Peters (para si mesma) foi deste mundo deixando a filha Olga vivendo em Portland, Oregon e a filha Yekaterina, uma cientista que estuda vulcões na Sibéria. Seu filho, Josef, morreu em 2008, aos 63 anos em Moscou. 

Quando a imprensa perguntou a Yekaterina se ela iria ao enterro da mãe, ela disse: "Não tenho mãe." Um sobrinho de nome, Yevgeny Džugašvili, o mais velho dos 9 netos de Stalin disse, sem esboçar nenhum sentimento de pesar, que todos os descendentes de Stalin se odeiam e estão brigados para todo o sempre, razão pela qual nem ele, nem nenhum outro parente na Rússia, foram notificados sobre o corrido, e concluiu. "Ela morreu idosa, esquecida e abandonado nos EUA. Foi auto-selecionada pelo destino e teve uma vida atormentada pelas sombras do passado." 

Com essas palavras, reafirmou o que Svetlana Stalin dissera em entrevista recente ao Wisconsin State Journal: "Onde quer que eu vá, seja aqui ou na Suíça, na Índia ou em qualquer lugar, mesmo na Austrália ou em alguma ilha deserta, eu sempre permanecerei prisioneira político do nome de meu pai." 

Ruy Câmara

Sugiro que assistam os vídeos a seguir:


https://www.youtube.com/watch?v=jxP7FNX2nqk&list=PLFA260D98EE0C4AC1






A filha de Fidel Castro 


                   Conferência em New York




A época cruel e sanguinária do COMUNISMO: 


              







Stalin el Imperio del Mal (1-2) - Stalin, el Tirano Rojo (La noche tematica) HQ


https://www.youtube.com/watch?v=SmCqN0yMZRg&index=5&list=PLIsmiNng3kU-Tvg06DpSwKDIC8abIEA6s

  
https://www.youtube.com/watch?v=EHM0uLxt144